Nódoa no Brim Edição #51 | Novembro/2017

Por | 4 de dezembro de 2017
Sem título

SADE PERVERTIDO, ou quando o fetiche se volta contra o feticheiro

Gabriel Giannattasio (UEL)

Muitos leitores deste modesto ensaio já ouviram falar no nome de Sade ou, mais possivelmente, na expressão sadismo. Pois bem, posso garantir-lhes que a relação entre os termos, Sade/sadismo, é da mesma natureza que a relação entre o passado e a História. Sim, a História não existiria sem o passado, mas a História é diferente do passado. Do mesmo modo, o sadismo não existiria sem Sade, mas ambos são de naturezas distintas. O que quero dizer é que Donatien Alphonse François de Sade se encontra entre aqueles autores cujo pensamento se desdobra numa miríade de interpretações e o sadismo é só mais uma delas.

A multiplicidade das máscaras sadeanas repercutiu e se imprimiu na história da recepção deste escritor: filósofo para alguns poucos, libertino para outros, por vezes literato e pornógrafo francês para muitos. Efetivamente a reabilitação do maldito marquês, promovida pelos círculos literários franceses do início do século XX — destaco aqui a figura de Guillaume Apollinaire e dos surrealistas — levou a transvaloração da imagem satânica de Sade para consagrá-lo sob a aura do divino marquês. Com isto, não quero dizer que a Europa e, em particular, a França, não o conhecessem anteriormente a este trabalho de ressignificação. O próprio termo sadismo surge da leitura que a nascente psicopatologia de Krafft-Ebing fez da obra do libertino francês. Mas, foi na aurora do século passado que a legenda Sade adquiriu contornos de uma literatura altamente recomendável, seja nas palavras de Apollinaire que o reconhece como ‘o espírito mais livre’, seja nos círculos surrealistas que o destacam como um ‘gênio de fertilíssima imaginação’ — paradoxalmente, nascido em pleno século da razão.

página 01-001

página 02-001

página 03-001

página 04-001

página 05-001 página 06-001

O Núcleo Estudos da Literatura Wlademir Dias Pino foi criado pela Resolução n.180/2007 – CONEPE, em 07 de dezembro de 2007. Surgiu do grupo de pesquisa Estudos da Literatura de Mato Grosso, cadastrado no CNPq e liderado por Walnice Vilalva e Tieko Miyazaki.

Autor: Núcleo Wlademir Dias Pino

O Núcleo Estudos da Literatura Wlademir Dias Pino foi criado pela Resolução n.180/2007 – CONEPE, em 07 de dezembro de 2007. Surgiu do grupo de pesquisa Estudos da Literatura de Mato Grosso, cadastrado no CNPq e liderado por Walnice Vilalva e Tieko Miyazaki.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *